17.11.14

Casamento moderno

Isadora Garcia

Os convidados se aproximavam da Igreja de cabeças baixas, teclando freneticamente e correndo os olhos de um lado a outro da telinha. Erguiam suas cabeças num movimento quase sincronizado à medida que seus pés diminuíam a distância para os grandes degraus de pedra.
Ao cruzarem os belíssimos batentes e adentrarem o amplo salão, dirigiam-se aos bancos compridos de madeira escura, a luz dos aparelhos celulares a iluminar seus rostos. Sentavam-se e, num ritual ensaiado, digitavam seus números de telefone no painel eletrônico nas costas dos bancos.
A Igreja enchia rapidamente e já se via o padre no centro do altar. Assim que todos se acomodaram e ergueram seus olhares, o pequeno ajudante, sobrinho da noiva, ergueu um controle remoto e, com o peito inflado tamanho era o orgulho de desempenhar tal papel, coordenou a descida de um grande telão sobre o altar.
                Com um sorriso bondoso, o padre recebeu do menino o controle e deu seguimento ao ritual, pressionando o botão que ligou o telão ornamentado de um ouro brilhante. No centro da tela, um único item bastante familiar indicava a todos a presença de Wi-fi no ambiente. Os que haviam guardado os celulares nos bolsos os retiraram novamente.
                Mais um clique no botão e o padre revelou o nome da rede, Deus_é_10, e a senha que todos deveriam digitar para ter acesso: Amém. O som de alguns teclados ecoou por um instante no interior da Igreja.
                O pequeno ajudante estendeu ao padre um tablet, permitindo que ele acessasse o Whatsapp e abrisse a conversa Casamento Fabiana e Rodrigo. Os contatos de todos os presentes já se encontravam no grupo, graças à eficiência do sistema eletrônico configurado pelo Prefeito, presente dado na inauguração do Programa Fiéis em Rede.
                Com o noivo devidamente posicionado à sua esquerda, o padre deu início à cerimônia, enviando um áudio ao grupo. Todos imediatamente pressionaram seus aparelhos aos ouvidos e olharam para a porta da Igreja. Com a marcha nupcial em suas cabeças, observaram a noiva sorridente dar os passos em direção ao altar.
                Algumas crianças bocejavam, outras sacodiam as pernas penduradas nos bancos, já inquietas. Parentes menos próximos conferiam outras conversas no aplicativo enquanto aquele instante eterno não se encerrava.
                Um de frente para o outro, o casal sorriu enamorado. Rodrigo enviou um emoticon apaixonado ao grupo e arrancou suspiros de algumas moças: era um rapaz sensível. Sua dedicação em responder as mensagens de Fabiana com rapidez foi um dos motivos que manteve o casal junto por todos aqueles sete meses.
                A cerimônia decorreu sem grandes problemas, o sim dos noivos acompanhado de várias exclamações demonstrando o entusiasmo que os preenchia naquele momento. O padre anunciou, enfim, o casamento dos jovens, que se beijaram após trocarem corações e emoticons apaixonados.
                Os mais emotivos choravam, os mais entusiasmados mandavam alegres parabéns em áudio para o grupo. Os noivos saíram da Igreja de mãos dadas sob a chuva de arroz e palmas. Tradições bobas, sabe como é.
                O carro arrancou levando os recém-casados para a comemoração do dia mais esperado de suas agendas e os convidados mais lentos eram olhados com raiva pelos que chegavam e digitavam seus números para serem adicionados no grupo Batizado da Aninha.


15.4.14

Silêncio dobrado

Isadora Garcia

Você foi alegria
(tristeza)
e sorrisos

Você foi esperança
(ilusão)
e planos

Você foi amor
(ferida)
e desejos

Você foi tristeza pela alegria
Você foi ilusão pela esperança
Você foi ferida pelo amor

Como pôde reunir duas numa face una?
Como pude enxergar uma numa face dúbia?
Como pôde?
Como pude?

Amor ilusório
Esperança triste
Alegria ferida

Tristeza amorosa
Ferida esperançosa
Ilusão alegre

Duas faces opostas
unidas num único silêncio
d... o... b... r... a... d... o...
de duas bocas veladas. 

26.3.14

Pacífica

Isadora Garcia

A dor passa,
A arte fica.
Pacifica.

13.1.14

Today I met someone

Isadora Garcia

Today I met someone so... strange.
Today I have met someone
And she was so… different,
She was so different from me,
She was… interesting.
Today I just met someone
suddenly…
Today I suddenly met someone
Someone I think I know
Someone I think I knew
Someone strange
A stranger.
Today I met a stranger
A Stranger to me…
Today I met someone
And I think it was
Myself.

27.12.13

Descasca-te

Isadora Garcia

A vida se esconde embaixo de tudo.
A superfície não basta,
Só visão embaça,
Vivemos na massa
E a massa maçante envolve a vida numa casca
Casca grossa, dura, impenetrável.
Será?
Não.
Impenetrável superfície,
Mas meus olhos vão além,
Eles têm que ir.
Olhos cansados, amassados, emassados,
esses olhos não veem,
Mas os meus vão além,
veem abaixo,
perpassam a casca,
descascam a vida,
descascam-se,
descasco-me.
E vivo.

A vida se esconde embaixo de tudo.
Na superfície tudo boia.
Prefiro afundar,
Navegar pelos mares da vida-marinha,
da vida-escondida,
da vida-...
...-perdida?
Não.
Nela me acho,
Nela me sinto,
Nela sou.
E só nela.
Eu sou nela.
Aqui em cima,
Bem...
Aqui em cima represento.
Espetáculo oco sob(re) a vida
enclausurada
na casca.
Poucos sabem descascar.

Viver é

Isadora Garcia

O que é viver?
Viver é conseguir?
Viver é persistir?
Viver é desistir?
Viver é conseguir sem persistir?
Viver é persistir sem desistir?
Viver é desistir sem conseguir?
Viver é conseguir sem desistir?
Viver é desistir sem persistir?
Viver é persistir sem conseguir?
Viver é tudo.
Viver é nada.
Viver é tudo ou nada.
Viver é.
E o que é?
Eu sou?
E o que sou?
Eu sou vida.
Eu sou tudo.
Eu sou nada.
Eu sou tudo ou nada.
E a vida?
Passou.

Escrevo em sonho

Isadora Garcia

EscreeeeeeeeevoPARO.
Pennnnnsssssssoo...
Soooono.    .    .
SoNhO...,...?...!...,...?.”...”.
Acordo! Escrevo! Apago! Escrevo!
Risco. O que era mesmo?
...? !!!? .,.?? “?” ? ... .
perco.
OOlhoo...
...............aguardo...............
Soooono.    .    .
SoNh-
Acordescrevapaguescrevo!
E ponto)
E pronto)
É isso)
Só isso)
Sorriso)

20.12.13

.

Isadora Garcia

Vazio.
Silêncio.
Solidão.
Sua ausência me perturba
Seus olhos me faltam
Sua alegria me carece.
Choro o vazio da casa
Choro o vazio do peito
Choro a partida
Choro a impossibilidade do regresso
Choro.
Estico minha mão e todo o vazio
Mas o nada não é macio como você
Mas o nada não conforta
O nada não me olha
O nada não me entende.
Procuro presença
na ausência
Procuro conforto
na dor.
Não há.
Não há.
Não há.

Ficou o nada







e o nada não responde.



16.5.13

Verdades guardadas

Isadora Garcia

Choro a iminência da descoberta
Segura me sinto, cá, encoberta
Teus olhos vendados são mais felizes
Teu coração guardado das cicatrizes

A cena final

Isadora Garcia

    Cada ponto final era como uma facada, cada vez alcançando espaços mais íntimos nas entranhas da velha. Era a última vez, ela sabia. Não haveria um próximo encontro, não haveria mais futuro, não haveria mais nada, era o fim. Não estava preparada para o adeus ainda, ela repetia, enquanto seus olhos, já embaçados pela emoção, deixavam escapar uma lágrima, única representação verdadeiramente física de seu sofrimento. Mas não havia mais como desistir, o acordo estava feito e este era o momento do adeus. As dores das feridas ardiam e matavam a escritora por dentro. Ela não podia parar, ou não chegaria ao fim, tinha consciência de sua limitação. Era pouco o ar que chegava a seus pulmões, estava morrendo. Morria junto com o fim da história que escrevia. Não era um fim como os outros, ah!, não era! Este fim marcava, também, o término de uma vida conjunta, de um amor incompreensível a corações humanos. A velha amava aquele homem com mais intensidade do que saberia explicar. E o fato de que dela dependia a existência dele queimava por dentro. Ele só morreria por causa dela, era tudo sua culpa. Seu corpo tremia. Estava ponto um fim à vida de ambos. A velha morria por matar seu personagem e ele morria em virtude da morte de sua criadora. Não havia alternativa, não havia saída. Ela soluçava. Seu sangue encontrava dificuldade para percorrer o caminho até seu coração. O barulho das teclas acompanhava as facadas que lhe tiravam a vida. Chegara a cena final do último dos romances figurados pelo vilão. Ele já avistara sua vitma: parada, sentada diante de uma máquina de escrever. Este seria o último assassinato, seria o golpe definitivo, mataria vitma e vilão, estranhamente misturados em seus papéis. O homem já estava próximo o suficiente, sedento por sangue, quando percebera que sua presa chorava, consciente do próximo evento. Mas isso pouco lhe importava. Este era seu destino, este era seu ofício. E com um último suspiro, a velha escreveu o ponto final.